Bonecos gigantes atraem milhares de turistas para o carnaval em Torrinha

Cidade tem cerca de 10 mil habitantes, mas durante a folia chega a receber até 50 mil pessoas.

Bonecões atraem turistas para o carnaval de Torrinha TV TEM / Reprodução A cidade de Torrinha (SP) mantém viva a tradição dos antigos carnavais e a principal atração da folia são os famosos bonecos gigantes.

Com ruas tranquilas, Torrinha é como uma típica cidadezinha do interior de São Paulo.

A cidade, que fica a 250 km da capital, tem pouco mais de 10 mil habitantes, mas durante o carnaval recebe até 50 mil pessoas.

Cinco vezes o número de moradores.

“A nossa expectativa para esse ano é receber 50 mil pessoas nos quatro dias de carnaval, cerca de 10, 15 mil pessoas por noite.

Fica apertado nas ruas do centro, mas a gente sempre dá um jeito, a população adora”, afirma o secretário de Turismo, César Sibalde.

Torrinha recebe público cinco vezes maior que o número de moradores durante o carnaval TV TEM / Reprodução Para entender esse sucesso, a gente precisa voltar no tempo, para década de 1930.

Temos que recorrer as boas e velhas fotos em preto e branco.

O carnaval de Torrinha é bastante conhecido por conta dos desfiles com os tradicionais bonecos.

Torrinha mantém tradição dos antigos carnavais e bonecões são atração principal É como se essa arte passasse de geração para geração.

O artesão Maurício de Húngaro é praticamente o pioneiro.

“Eu era moleque e uma turma fazia esses bonecos, aí eles decidiram parar e eu continuei a tradição”, explica.

A história do carnaval de torrinha tem muito a ver também com a estação ferroviária da cidade.

Isso porque um morador que se vestia de rei momo desembarcava do trem e ia ao encontro dos foliões que já o aguardavam do lado de fora para sair pelas ruas desfilando.

História dos Bonecões de Torrinha começou na década de 30 TV TEM / Reprodução Só que a festa para muitos moradores acabava quando o grupo de foliões entrava em um clube da cidade.

Os moradores tinham que pagar para entrar e valor não era acessível para muita gente.

Foi aí que outro morador teve a ideia de criar um boneco gigante para continuar o desfile pelas ruas.

A chegada de passageiros pela ferrovia não acontece mais, mas a confecção dos bonecos não parou por aí e só cresce a cada ano.

A artesã Kátia Buzato é a atual responsável por essa arte, ela é a quarta geração que continua esse trabalho. O galpão todo da antiga estação agora virou seu ateliê.

Todos os anos os bonecos passam por uma reciclagem.

As decorações das ruas também saem do galpão.

“Com certeza tem tudo a ver com o passado, com a história da ferrovia, porque foi onde começou a histórias com os bonecos.” “Fico só esperando esse momento do carnaval para poder colocar a mão na massa." Tradição dos bonecos passa de geração para geração TV TEM / Reprodução Quem coloca a mão na massa também é a esposa do pioneiro Maurício.

“Eu faço a costura e ele as armações e finalizamos juntos.

E agora estou ensinando as filhas para elas continuarem a tradição”, explica Naira Aparecida de Hungaro.

Se depender da animação da criançada da casa, elas devem continuar, sim.

Todo mundo entra no embalo.

Todos os netos do casal têm um boneco e ai acaba sobrando para as filhas consertar os estragos e já ir treinando.

Cada boneco tem uma história ligada a própria cidade, como o boneco Adão.

Seu Adão hoje tem 81 anos e já fez muitos bonecos do carnaval de Torrinha e aí acharam que ele merecia um boneco com o seu rosto.

E assim foi feito.

O boneco Adão e tantos outros desfilam todos os dias do carnaval pelas ruas Torrinha acompanhados de música.

A antiga banda formada por cinco pessoas, evoluiu para um palco e dois trios elétricos para atender o grande público que confere todos os anos essa tradicional folia do interior de SP.

Confeccionando bonecos há décadas, seu Adão ganhou um em sua homenagem em Torrinha TV TEM/ Reprodução Veja mais notícias da região no G1 Bauru e Marília.

Categoria:SP - Bauru e Marília